Meio Ambiente
Acessibilidade A+ A- C

Estado inaugura recinto para recuperação de animais silvestres em Jundiaí

A DERSA e a associação inauguram, às 10h30, desta quarta-feira, 26 de agosto, recinto para reabilitação de animais silvestres

Iniciativa da DERSA é compensação ambiental do Rodoanel Norte e Nova Tamoios Contornos e será viabilizada por meio de parceria com a Associação Mata Ciliar

São Paulo, 24 de agosto de 2015 - A partir deste mês, as onças pintadas, suçuaranas, lobos guarás, jaguatiricas e cachorros do mato, resgatados e tratados pela Associação Mata Ciliar de Jundiaí, com comportamento potencial para retorno à natureza, terão um espaço especial para serem reabilitados e avaliados antes da soltura. Com a presença do secretário estadual de Logística e Transportes, Duarte Nogueira, a DERSA e a associação inauguram, às 10h30, desta quarta-feira, 26 de agosto, recinto para reabilitação de animais silvestres.

A obra, realizada com recursos do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), é mais uma compensação ambiental dos empreendimentos rodoviários Rodoanel Norte e Nova Tamoios.  

A suçuarana Araçatuba será a primeira a utilizar o espaço. Encontrado muito debilitado e ferido em um galpão na cidade que deu origem ao seu nome, o felino hoje está em plena condição de retornar à natureza. Tratado de maneira a não se acostumar com a presença humana, Araçatuba se manteve muito selvagem e hoje a estadia no recinto o ajudará a perder o peso que ganhou durante os meses em cativeiro e recuperar a forma necessária para voltar para casa.

A onça pintada Felipe, encontrada pelo IBAMA perto de um garimpo no Pará, onde era criado como animal doméstico, é outra beneficiada com o recinto. O jovem macho em breve deve passar pela readaptação para aprender a caçar e se desvencilhar do convívio humano. 

Governo Paulista aplicou cerca de R$ 230 mil na construção do espaço, que possui  3 mil metros quadrados e é cercado por alambrado de cinco metros de altura, com dispositivos antifuga. O recinto ainda compreende área para cambiamento (edificação para inserção, retirada e eventual tratamento do animal no recinto). 

O objetivo do recinto é isolar completamente o animal do contato humano, sua estrutura simula a mata e permite que ele volte a caçar e a se comportar como se estivesse em seu habitat natural. O monitoramento será realizado por meio de câmeras instaladas em pontos estratégicos. Os animais poderão retornar à natureza quando seus comportamentos comprovarem que eles são capazes de viver sem a ajuda do homem.

Em contrapartida, a Associação Mata Ciliar colaborará com os Programas de Conservação de Fauna do Rodoanel Norte e Nova Tamoios, recebendo eventuais animais resgatados nas frentes de obras que necessitem de atendimento complexo e/ou reabilitação.

A DERSA desenvolve programas ambientais voltados à conservação da fauna e flora em todos os empreendimentos que gerencia para o Governo do Estado e DER. Antes das máquinas e dos trabalhadores entrarem nos canteiros, veterinários, biólogos e pesquisadores de instituições parceiras vão a campo estudar as espécies e o meio ambiente em que estão inseridos. É realizado também previamente o resgate e o afugentamento dos animais das frentes de obra e o resgate e replantio das espécies importantes de flora.

Uma equipe composta por veterinários, biólogos, auxiliares de campo e pesquisadores resgata as espécies que habitam no local. Essa estratégia evita que animais sejam feridos durante as intervenções nas obras.

Os animais são realocados em áreas próximas preservadas. Aqueles que são encontrados em locais de risco, como ninhos de pássaros, ou que têm baixa mobilidade, como bichos-preguiça, roedores, sapos e pererecas, são resgatados e realocados em áreas seguras com características adequadas às suas necessidades. 

Todos os canteiros dos lotes estão equipados com ambulatórios veterinários para atender animais resgatados que eventualmente necessitem de cuidados antes de retornarem à natureza. Algumas vezes os animais precisam de tratamento específico. Nesses casos, são destinados a instituições parceiras, como a Associação Mata Ciliar.

Além da preocupação de minimizar os impactos das obras no ambiente dos animais que vivem nas áreas em que o empreendimento está sendo implantado, a Companhia realiza o monitoramento da fauna em toda a região do entorno. O monitoramento de fauna é executado por biólogos especialistas que identificam e registram os animais pertencentes à região. São monitorados os grupos considerados bioindicadores (mamíferos, aves, répteis, anfíbios e borboletas), cuja presença permite identificar possíveis impactos na fauna causados pelas obras. Este trabalho é importante não só para mitigar os impactos durante as obras, mas para identificar eventuais alterações no comportamento no bioma para que assim medidas compensatórias possam ser tomadas para reequilibrar o meio ambiente.

O resgate de flora é realizado pelos biólogos em cada um dos lotes do empreendimento com orientação do Instituto de Botânica de São Paulo. As diferentes espécies resgatadas são destinadas a estudos científicos realizados pelo Instituto, ou podem ser doadas para prefeituras e parques, como Parque Estadual da Serra do Mar ou Parque Estadual da Serra da Cantareira, que tenham interesse no material para fins conservacionistas. Cada canteiro de obras é equipado com viveiros de espera, em que as plantas resgatadas são mantidas até que sua destinação seja definida.

Inauguração do Recinto de Reabilitação de Animais Silvestres
Data: 26/8/2015
Horário: 10h30
Local: Associação Mata Ciliar
Endereço: Avenida Antonon, 1.000, Chácara Aeroporto, Jundiaí